Folha do Brejo

Notícias/Cidades

Trauma de João Pessoa recebeu mais de 50 casos de queimaduras em junho e alerta sobre fogos

Segundo o setor de estatística, duas crianças de 10 e 8 anos deram entrada na unidade de saúde após queimarem as mãos com o chuveirinho

Trauma de João Pessoa recebeu mais de 50 casos de queimaduras em junho e alerta sobre fogos
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

No período das festas de São João e São Pedro, os cuidados com os fogos de artifícios e fogueiras devem ser redobrados. O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, já recebeu mais de 50 casos de queimaduras, nos primeiros 20 dias de junho.

O diretor-geral da instituição, Laecio Bragante, faz uma alerta para evitar o aumento do número de casos de queimaduras.
“Estamos tentando sensibilizar a população para redobrar a atenção no período junino, principalmente, com as crianças. Queremos evitar que os pais tenham dores de cabeça durante os festejos e os pequenos fiquem com sequelas permanentes. Quem necessitar de atendimentos de urgência e emergência, 24 horas durante no feriadão, pode vir até a nossa unidade de saúde, que é referência e estaremos de prontidão”, salientou.

O cirurgião plástico da unidade de saúde, Eduardo Lafayette, ressaltou que as crianças são as mais atingidas neste período pelos problemas causados por queimaduras por ficarem sem a supervisão de um adulto.

“As mais comuns são pelo uso inadequado de fogos de artifícios, eles são manuseados sem qualquer tipo de supervisão. Essa falta de acompanhamento acaba resultando em alguns acidentes. Outra situação recorrente é com relação às fogueiras. Pacientes relatam as brincadeiras de tentar pulá-las e acabam queimando a criança”, ressaltou.
Segundo o setor de estatística, duas crianças de 10 e 8 anos deram entrada na unidade de saúde após queimarem as mãos com o chuveirinho. Elas tiveram queimaduras de segundo grau e precisaram ficar internadas. Lafayette disse que até esse tipo de fogo de artifício, considerado mais inofensivo, pode deixar sequelas nos pacientes.

“Os pais precisam supervisionar os filhos durante o manuseio e observar se as crianças estão próximas de fogueiras”, completou.

De acordo com o cirurgião plástico, em casos de queimaduras é preciso afastar a fonte de calor, ou seja, fogo de artifício e fogueira.

“Não devemos colocar nada no local queimado. As pessoas que costumam colocar manteiga, pasta de dente ou pomada podem causar irritabilidade na área afetada e o paciente sentir mais desconforto. O máximo que a pessoa pode fazer é colocar a ferida em uma água corrente e levar para o Hospital de Trauma”, orientou.

Lafayette também pede que a população fique atenta para as queimaduras extensas e as localizadas na região da mão, face, genitália e articulação. “Essas são regiões nobres e merecem um cuidado maior. Esse tipo de queimadura, a pessoa tem que seguir imediatamente para uma unidade de saúde para ser avaliada”, disse.

Unidade de Tratamento a Queimados do Hospital de Trauma é referência no atendimento às vítimas de queimaduras, conta com mais de dez cirurgiões plásticos, que prestam atendimentos ambulatorial e hospitalar 24 horas. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3216-5721.

A unidade de saúde lançou no último dia 9 junho, a 20ª Campanha Marcas que Ficam Para Sempre e tem como objetivo sensibilizar a população sobre os riscos e as formas preventivas referentes às queimaduras.

FONTE/CRÉDITOS: Portal Correio
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!